S1_(1).JPGS1_(2).JPG
celulas_tronco_pesquisa.jpg
Mitoses sucessivas
S1_(3).JPGS1_(4).JPGS1_(5).JPGS1_(6).JPGS1_(7).JPGS1_(8).JPGS1_(9).JPGS1_(10).JPGdesenvolvimento embrionário primeira 1ª. 1ª semana 1a implantação nidação mórula blastocisto semino ex bud seminoexbud desenvolvimentoembrionario desenvolvimentoembrionário
embrião embryo embryonic development wiki wikispaces crescimento fertilization hatching incubação fecundação célula células celular cell development fetus feto endométrio miométrio zigoto blastómero tunica carnegie stages human humano desenvolvimento embrionário primeira 1ª. 1ª semana 1a implantação nidação mórula blastocisto semino ex bud seminoexbud desenvolvimentoembrionario desenvolvimentoembrionário
embrião embryo embryonic development wiki wikispaces crescimento fertilization hatching incubação fecundação célula células celular cell development fetus feto endométrio miométrio zigoto blastómero tunica carnegie stages human humano


2ª.jpg


1ª. Semana A primeira semana do desenvolvimento humano começa com a fecundação do óvulo pelo espermatozóide, formando o zigoto, seguido pelo início da divisão celular formando o blastocisto. O zigoto, como o oócito, é envolto por uma cobertura de protecção, a zona pelúcida, e contém 46 cromossomas únicos com o modelo genético completo de um novo indivíduo. Nestes, encontram-se moléculas de ADN firmemente compactadas e enroladas que contêm todas as instruções necessárias para transformar o embrião unicelular num adulto completo. A primeira divisão celular As etapas finais de formação do zigoto incluem a replicação do ADN e o alinhamento dos cromossomas na preparação para a primeira divisão celular através de mitose. Os cromossomas assumem uma formação chamada eixo de clivagem (disposição na placa equatorial – metafase) Como os 2 conjuntos de cromossomas migram para lados opostos do zigoto, um vinco começa a formar-se ao longo do equador, linha de divisão. O zigoto ou embrião unicelular completa a primeira divisão celular, aproximadamente 24 a 30 horas após a fecundação. O processo de divisão celular repetida designa-se por clivagem. Mitose - divisão dinâmica Após a primeira divisão celular, estas duas células-filha são chamadas blastómeros e prosseguem com a mitose de forma independente. Duas células transformam-se em quatro, estas em oito, e assim por diante. Nos primeiros dias de divisão celular não aumenta o tamanho do embrião porque os blastómeros ficam menores à medida que aumentam de número. Além disso, após a terceira “ronda” de divisões celulares, as células ficam mais apertadas num processo designado compactação. À medida que avança a compactação, as células do embrião dividem-se em duas populações com destinos distintos. Mitoses sucessivas. Na língua inglesa, zona é comummente utilizada para se referir a zona pelúcida. Cerca de 3 dias após a fecundação, quando ainda na trompa, o embrião contém 12 a 16 células, configurado como uma bola de células chamada mórula. Aproximadamente um dia depois, o oviducto relaxa sob a influência da progesterona e o embrião completa a sua jornada através deste canal, entrando no útero. Por esta altura, o embrião começa a desenvolver uma cavidade cheia de fluido com uma colecção de células numa extremidade e que se designa por blastocisto. A superfície do blastocisto ao lado da massa celular interna é referida como fim polar ou pólo embrionário do blastocisto. A zona pelúcida, tendo entregue o embrião através do labirinto da trompa, degenera logo após a chegada deste ao útero. O blastocisto, agora livre, já está pronto para encontrar um lar permanente no interior da parede do útero. O blastocito emerge da zona pelúcida Transporte do embrião no oviducto À medida que avança a divisão celular, o embrião está em movimento. A trompa guia o embrião em direcção ao útero, através do movimento dos cílios das células epiteliais que revestem a sua parede e de contracções musculares leves. As células da corona radiata (camada de células foliculares) desaparecem no espaço de dois dias, enquanto que a zona pelúcida continua a proteger o embrião, impedindo a implantação prematura no oviducto. Na parte superior da trompa, o lúmen é revestido por uma mucosa (tunica mucosa) espessa, ideal à fecundação. Na parte mais inferior, a tunica muscularis é mais desenvolvida, por forma a impulsionar o embrião. As células estaminais - potencial Ilimitado As células estaminais estão presentes desde o início do desenvolvimento embrionário. Estas células podem diferenciar-se em qualquer um dos 200 tipos de células do nosso organismo. De facto, sob certas condições, uma célula destas pode separar-se do embrião e formar um embrião completamente novo que resulta em gémeos verdadeiros. Nidação A nidação ou implantação do embrião é o processo pelo qual este é incorporado na parede interna do útero da mãe. Começa cerca de 6 dias após a fecundação e termina perto dos 12, pelo que se descreve mais pormenorizadamente na 2ª. Semana. Até o final da primeira semana, o embrião viajou extensivamente, multiplicando-se a partir de uma célula para várias centenas, mudou drasticamente a sua forma e complexidade e começou o processo de instalação na sua morada permanente.